Eu não tenho lugar no mundo e está tudo bem

Eu não tenho lugar no mundo e está tudo bem

Há noções que preciso abandonar nessa eterna busca pela felicidade. Já estou com 28 anos e minha vida em nada se assemelha com aquilo que imaginei no auge dos delírios da adolescência.

Eu não moro em um apartamento enorme de paredes roxas com os amigos que chamo de família. Aliás, destes amigos, só um ou dois saíram da casa dos pais.

Uma vez disse a uma delas que meu maior medo era me tornar um desses encostos que moram na casa da mãe por toda a eternidade. Ela me disse “mas o que tem de errado nisso?”. Me senti quase que ofendida – essa conversa aconteceu há mais de um ano.

Mas levando em conta que a infância é uma construção e um modelo social que não existia há, sei lá, 100 anos, e que continua evoluindo de forma em que ela dure cada vez mais e mais, eu é que não vou dar murro em ponto de faca achando que a vida do jovem adulto vai continuar a existir da forma que existiu quando ela me foi ensinada.

Só agora percebo que moro, sim, com a minha mãe e é por escolha. E está tudo bem. Eu até hoje não decidi onde é que quero criar raízes – se é que quero criar raízes em algum lugar. São Paulo? Muitas mentiras. Rio de Janeiro? Prefiro morrer (mas do jeito que as coisas andam por lá, a probabilidade de morrer prematuramente é bem alta). Curitiba? Quem sabe durante alguns meses?

Enquanto isso eu faço o que dá. Vivo com conforto e invisto em um modelo de trabalho independente enquanto busco gratificação através dos jobs, da escrita, dos estudos avulsos que faço sem muitas pretensões mas com muito compromisso e junto dinheiro para a prática mais millennial de todas, que já virou até um termo jocoso: ser nômade digital.

E eu vou fazer o quê? Essa é a minha geração, esses são meus (não) valores, essa é a minha realidade.

Foi um longo processo até me sentir em paz nesse espaço que criei no mundo.

A próxima parada geográfica eu ainda não sei apontar no mapa, mas em breve estarei por lá. Quanto às noções que preciso abandonar, a próxima será a de que necessito de um parceiro romântico para me sentir completa – mas não me preocupo muito, sei que já estou quase chegando nesse lugar.*

*Nota de esclarecimento da autora: eu amo amar e sou apaixonada pelo amor. Sou uma romântica 100% incurável. Só não creio que uma cara-metade deva servir de bússola na minha vida mais.

 

Tempo para ter tempo

Tempo para ter tempo

Estou ansiosa porque acho que não vai dar tempo e que logo vai ser tarde demais.

Vago isso, né?

Mas hoje a ansiedade brota dos emails de trabalho que não me respondem, emails que queria receber para saber do que vai ser do resto do meu dia, do meu amanhã, dos próximos seis meses.

Trabalhar de casa como freelancer não ajuda se você é uma pessoa que quer certezas na vida, mas foi a escolha que eu mesma fiz em nome da minha liberdade – que claramente não sei muito bem como administrar.  Continue lendo “Tempo para ter tempo”

Mesa digitalizadora para quem não é designer

Mesa digitalizadora para quem não é designer

Um dia desses eu comprei uma mesa digitalizadora e ela mudou a minha vida – e eu nem sou designer.

Eu faço freelas de Social Media, e a maioria deles envolve Photoshop. Mesmo que sejam coisas mais básicas, eu estava passando muito tempo mexendo em detalhes pequenininhos de imagens com o trackpad do meu notebook – não sei se isso acontece com vocês, mas o meu dedinho da mão direita estava sofrendo muito.

Continue lendo “Mesa digitalizadora para quem não é designer”

Como fazer stories incríveis no Instagram

Como fazer stories incríveis no Instagram

Eu tenho recebido um tanto de mensagem no Insta sobre os meus stories, então esse post é pra vocês.

Vamos lá: eu era muito, mas muito fã mesmo, do Snapchat. Quando o Instagram lançou o Stories eu me senti uma GRANDE VÍTIMA DO CAPITALISMO e tomei as dores do Snap porque poxa, tão legais os filtros…

Continue lendo “Como fazer stories incríveis no Instagram”